Publicidade

Céu Handmade: moda responsável vem conquistando o país

Customização de roupas com um toque fashionista e cheio de estilo é realizada pela marca gaúcha

16 de Novembro, 2017 às 10:44

Moda, criatividade e sustentabilidade. Quando essas três palavrinhas se unem, é claro, só pode resultar em coisa boa. Celina Spolaor sempre gostou de criar suas próprias roupas – um pouco disso se deve, na verdade, ao fato de que ela dificilmente encontrava peças no seu tamanho, pois sempre foi muito pequena. Mas o principal, ela lembra, era o desejo de vestir roupas diferentes daquelas que eram vendidas nas lojas, representando a sua personalidade e o seu estilo de vida.
 
De um hobby que a acompanhou desde a adolescência, em 2012, o desejo de criar roupas exclusivas se transformou em um trabalho, quando as pessoas conheceram, pelo Instagram, as peças customizadas desenvolvidas por Celina. A partir das encomendas que foram surgindo pela rede social, com foco inicial em jaquetas jeans, nasceu a Céu Handmade, que hoje abrange outros itens de vestuário, como jaquetas bombers, coletes e camisetas. Após esse primeiro momento, Celina lembra que tudo aconteceu de forma muito orgânica. Em 2014, durante um curso de moda realizado em Porto Alegre, ela conheceu Danielle Hansen que, em 2016, se tornou sócia na Céu.
 

 

A seguir, confira o bate-papo com a idealizadora da Céu Handmade

 
REVISTA LIVING: Como se dá o processo criativo e o desenvolvimento das jaquetas? 
CELINA SPOLAOR: Cada jaqueta tem uma história em si, pois, de certa forma, os clientes acabam participando do processo de criação. Após a compra, seja ela em uma jaqueta adquirida em nosso site, ou em uma peça própria que o cliente nos entrega, enviamos um questionário, para que as pessoas nos contem um pouco dos seus gostos e desejos. A partir disso criamos a jaqueta, em  um processo que, até a conclusão final da arte e a aplicação, leva-se em torno de cinco horas.
 
LIVING: Quais são as técnicas utilizadas e como as desenvolveram? 
CELINA: Pesquisamos o tempo todo novas técnicas artísticas para que sejam aplicadas nas jaquetas e em todas as peças que customizamos. Hoje, a técnica mais procurada é a de pintura, mas também aplicamos imagens impressas, ou mesmo aviamentos, que muitas vezes acabam complementando uma peça.
 
LIVING: Pode-se dizer, então, que cada peça é única? 
CELINA: Sim, a maioria das peças não se repete e é isso que torna o nosso trabalho tão interessante e especial.
 
LIVING: A produção funciona sob demanda ou há produtos à pronta entrega? 
CELINA: A maior parte do que é produzido acaba sendo sob encomenda, pois gostamos que as pessoas tenham uma peça exatamente como desejam. Mesmo assim, também temos algumas já criadas e prontas, para quem tem um pouquinho mais de pressa para adquirir.
 
LIVING: Existe alguma tendência observada nas criações atualmente?
CELINA: Sim, a pintura está bem alta, principalmente nas cores neon, que se destacam com a chegada do verão.
 
LIVING: Além das jaquetas jeans, a Céu também produz em outros materiais e modelos?
CELINA: Customizamos roupas em geral. Podemos criar todas as peças que os clientes quiserem e também temos algumas disponíveis em nosso site, como jaquetas e coletes. Para o verão, teremos mais novidades em peças disponíveis.
 
LIVING: É possível reaproveitar roupas que não serão mais usadas e transformá-las em outras, com visual totalmente novo? 
CELINA: Sim, trabalhamos bastante com upcycling, que é transformar roupas que já existem em outras. Um exemplo disso é a nossa coleção mais recente, na qual garimpamos diversos tipos de roupas, com estampas lindas, em brechós e no nosso acervo, as quais foram transformadas em bombers. O resultado ficou incrível e algumas pessoas até nos deram peças que tinham em casa, com estampas legais, mas que já não gostavam tanto da modelagem, para que fizéssemos essa mesma transformação.
 
LIVING: Como vocês enxergam a relação entre moda e sustentabilidade? Acreditam que as pessoas estão mais abertas a novas propostas e a pensarem mais no reaproveitamento (seja por customização, brechós, trocas etc.)?
CELINA: Acreditamos que a conscientização das pessoas tem acontecido de forma bem gradual. Hoje, o público consciente já é bem maior e as pessoas buscam informação, pois querem consumir de forma mais ética, começando pelo reaproveitamento de suas próprias roupas. Notamos que, muitas vezes, as pessoas não se dão conta que dentro do próprio guarda-roupa existem peças paradas com muito potencial. Nosso objetivo é mostrar que, através da customização, as peças podem voltar ainda mais lindas.
 
 
Para quem ficou curioso e quer conhecer de perto o trabalho realizado na Céu Handmade, as meninas recebem clientes com horário marcado no próprio atelier, localizado na rua Barão de Ubá, nº 637, no bairro Bela Vista, em Porto Alegre. Para saber mais, basta acessar o site da marca.
 
 

Confira algumas peças customizadas:

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

Publicidade

Publicidade